LITURGIA COMENTADA – 07 de Agosto de 2016 – Domingo

DOMINGO – XIX SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde, glória, creio – III semana do saltério)

Antífona da entrada

– Considerai, Senhor, vossa aliança, e não abandoneis para sempre o vosso povo. Lembrai-vos, Senhor, defendei vossa causa e não desprezeis o clamor de quem vos busca (Sl 73,20.19.22).

Oração do dia

– Deus eterno e todo-poderoso, a quem ousamos chamar de Pai, dai-nos cada vez mais um coração de filhos, para alcançarmos um dia a herança prometida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Sb 18,6-9

– Livro da Sabedoria: 6A noite da libertação fora predita a nossos pais, para que, sabendo a que juramento tinham dado crédito, se conservassem intrépidos. 7Ela foi esperada por teu povo, como salvação para os justos e como perdição para os inimigos. 8Com efeito, aquilo com que puniste nossos adversários serviu também para glorificar-nos, chamando-nos a ti. 9Os piedosos filhos dos bons ofereceram sacrifícios secretamente e, de comum acordo, fizeram este pacto divino: que os santos participariam solidariamente dos mesmos bens e dos mesmos perigos. Isso, enquanto entoavam antecipadamente os cânticos de seus pais.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 33,1.12.18-20.22 (R: 12b)

– Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!
R: Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

– Ó justos, alegrai-vos no Senhor! Aos retos fica bem glorificá-lo. Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, e a nação que escolheu por sua herança!
R: Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

– Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem, e que confiam esperando em seu amor, para da morte libertar as suas vidas, e alimentá-los quando é tempo de penúria.
R: Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

– No Senhor nós esperamos confiantes, porque ele é nosso auxílio e proteção! Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, da mesma forma que em vós nós esperamos!
R: Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

2ª Leitura: Hb 11,1-2.8-12

– Carta aos Hebreus: Irmãos: 1A fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se vêem. 2Foi a fé que valeu aos antepassados um bom testemunho. 8Foi pela fé que Abraão obedeceu à ordem de partir para uma terra que devia receber como herança, e partiu, sem saber para onde ia. 9Foi pela fé que ele residiu como estrangeiro na terra prometida, morando em tendas com Isaac e Jacó, os co-herdeiros da mesma promessa. 10Pois esperava a cidade alicerçada que tem Deus mesmo por arquiteto e construtor. 11Foi pela fé também que Sara, embora estéril e já de idade avançada, se tornou capaz de ter filhos, porque considerou fidedigno o autor da promessa. 12É por isso também que de um só homem, já marcado pela morte, nasceu a multidão “comparável às estrelas do céu e inumerável como a areia das praias do mar”.

– Palavra do Senhor.
– Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

– É preciso vigiar e ficar de prontidão; em que dia o Senhor há de vir não sabeis, não! (Mt 24,42.44).

Aleluia, aleluia, aleluia.
Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 12,32-48

– O Senhor esteja convosco.
– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas
– Glória a vós, Senhor!

– Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 32“Não tenhais medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar a vós o Reino. 33Vendei vossos bens e dai esmola. Fazei bolsas que não se estraguem, um tesouro no céu que não se acabe; ali o ladrão não chega nem a traça corrói. 34Porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração. 35Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrirem, imediatamente, a porta, logo que ele chegar e bater. 37Felizes os empregados que o Senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo: Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar à mesa e, passando, os servirá. 38E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão, se assim os encontrar. 39Mas ficai certos: se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40Vós também, ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. 41Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos? ” 42E o Senhor respondeu: “Quem é o administrador fiel e prudente, que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa, para dar comida a todos na hora certa? 43Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44Em verdade eu vos digo: o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens.45Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. 47Aquele empregado que, conhecendo a vontade do Senhor, nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade, será chicoteado muitas vezes. 48Porém, o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo, será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”

– Palavra da salvação.
– Glória a vós, Senhor!

Liturgia comentada
Ficai de prontidão… (Lc 12,32-48)


A vida do cristão é permanente vigília. Ele sabe que o Senhor pode chegar a qualquer momento e vive em função dessa Vinda. Exatamente por isso, o momento presente tem especial valor, enquanto o futuro passa por sensível relativização. Coisas como acumular reservas, garantir seguranças, aumentar os depósitos perdem muito de seu atrativo. Até o crescente “medo do futuro” acaba atenuado pela expectativa dessa Vinda.

A imagem empregada por Jesus, neste Evangelho, são as “lâmpadas acesas” que os servidores alimentam durante a noite, para que não sejam achados em profundo sono.

Claro que todos ignoram essa “hora” em que o Senhor há de vir. É segredo do Pai. E essa mesma hora divide a multidão em dois grupos: os que a esperam com alegre expectativa e aqueles que sofrem com ansiedade a temível chegada.

Se tememos a chegada de um juiz, quando seremos réus sujeitos a castigo, estaremos incluídos entre os que temem sua irrupção. Se, ao contrário, aguardamos a presença de um Amigo, intimamente já estaremos em festa, como o vigia esperando a aurora (cf. Sl 130,6).

Ora, aquele que está para chegar é o mesmo que acolhia as prostitutas e participava do banquete dos pecadores. É o mesmo que curava os enfermos e limpava os leprosos. É o mesmo que perdoava os imperdoáveis, como o ladrão com ele crucificado.

O bom servidor, que o Evangelho chama de servo fiel, não tem nada a temer pelo Senhor que está às portas. Mas também o servo menos fiel deveria saber das misericórdias de seu Mestre, sempre pronto a perdoar e a regenerar quem se corrompera.

No fundo, está latente uma questão de amor. Quando se espera pela pessoa amada, não importa se ela se retarda um pouco, pois temos a certeza de que virá. Até parece que a demora do Amado tem a função pedagógica de espicaçar nosso afeto, aguçar nossos sentimentos, atear sempre mais a fogueira do amor.

Como a noiva do “Cântico dos Cânticos”, a alma suspira: “É a voz do meu amado! Ei-lo que vem saltando sobre os montes, pulando por sobre as colinas! Volta, meu amado! ” (Ct 2,9.17)

Orai sem cessar:“Se vos possuo, nada mais me atrai na terra! ” (Sl 73,25b)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
santini@novaalianca.com.br

(Visited 65 times, 1 visits today)