LITURGIA DIÁRIA 01 de Janeiro, quarta-feira

Dia 1º de Janeiro – Quarta-feira
MARIA, MÃE DE DEUS (Branco, Glória, Creio, Prefácio de Maria – Ofício da Solenidade)

 

Antífona de Entrada

Salve, ó santa mãe de Deus, vós destes à luz o rei que governa o céu e a terra pelos séculos eternos (Sedúlio).

 

Oração do dia

Ó Deus, que pela virgindade fecunda de Maria destes à humanidade a salvação eterna, dai-nos contar sempre com a sua intercessão, pois ela nos trouxe o autor da vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leitura (Números 6,22-27)

Leitura do livro dos Números.
6 22O Senhor disse a Moisés:
23″Dize a Aarão e seus filhos o seguinte: eis como abençoares os filhos de Israel:
24O Senhor te abençoe e te guarde!
25O Senhor te mostre a sua face e conceda-te sua graça!
26O Senhor volva o seu rosto para ti e te dê a paz!
27E assim invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel e eu os abençoarei”.
Palavra do Senhor.

 

Salmo Responsorial 66/67

Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção.

Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção,
e sua face resplandeça sobre nós!
Que na terra se conheça o seu caminho
e a sua salvação por entre os povos.

Exulte de alegria a terra inteira,
pois julgais o universo com justiça;
os povos governais com retidão
e guiais, em toda a terra, as nações.

Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor,
que todas as nações vos glorifiquem!
Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe,
e o respeitem os confins de toda a terra!

 

Leitura (Gálatas 4,4-7)

Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas.
4 4Irmãos, quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei,
5a fim de remir os que estavam sob a lei, para que recebêssemos a sua adoção.
6A prova de que sois filhos é que Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!
7Portanto já não és escravo, mas filho. E, se és filho, então também herdeiro por Deus.
Palavra do Senhor.

 

Evangelho (Lucas 2,16-21)

Aleluia, aleluia, aleluia.
De muitos modos, Deus outrora nos falou pelos profetas;
nestes tempos derradeiros, nos falou pelo seu Filho (Hb 1,1s).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
2 16Os pastores foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura. 17Vendo-o, contaram o que se lhes havia dito a respeito deste menino.
18Todos os que os ouviam admiravam-se das coisas que lhes contavam os pastores.
19Maria conservava todas estas palavras, meditando-as no seu coração.
20Voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, e que estava de acordo com o que lhes fora dito.
21Completados que foram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes de ser concebido no seio materno.
Palavra da Salvação.

 

Comentário ao Evangelho
A SOLICITUDE DA MÃE

A sucessão de fatos em torno do nascimento de Jesus desafiava a compreensão de Maria. Sua fé profunda e sua disponibilidade para colaborar no projeto salvífico de Deus não bastavam para levá-la a entender tudo quanto se falava a respeito do menino Jesus. No entanto, “observava todas as coisas, meditando-as em seu coração”.
Como filha de seu povo, Maria esperava a intervenção divina na História, por meio de seu Messias. Eram muitas as especulações a este respeito. Havia mesmo quem se apresentasse como Messias, esperando ser reconhecido como tal. Outros tentavam descrever a identidade do Messias, recorrendo aos mais variados esquemas, muitas vezes divergentes. Em meio a tantos desencontros, Maria conservava somente uma certeza: a promessa do Senhor haveria de realizar-se. E ansiava por este dia!
O confronto com o seu próprio filho exigiu dela o esforço de repensar tudo. Sem dúvida, não estava no seu plano a perspectiva de se tornar tão próxima do Messias, de ser sua mãe. Foi-lhe necessária, desde o início, profunda reflexão, para descobrir o significado de cada evento, em que ela mesma estava implicada. Descortinava-se, para Maria, um vasto horizonte que unia sua vida e seu destino ao do Messias Jesus. Sua condição de Mãe do Filho de Deus era algo demasiadamente sublime para ser entendido imediatamente. Daí ser preciso reconsiderar tudo, no íntimo do seu coração.

Oração

Espírito de interioridade, ensina-me a considerar, como Maria, o sentido da presença do Senhor na minha vida, e o que isto me reserva na sua obra de salvação.

O comentário do Evangelho é feito pelo Pe. Jaldemir Vitório – Jesuíta, Doutor em Exegese Bíblica, Professor da FAJE

(Visited 18 times, 1 visits today)