Quaresma: Tempo de praticar a caridade

A caridade é uma das práticas recomendadas pela Igreja Católica para nos ajudar neste período quaresmal, um dos tempos mais importantes da liturgia cristã: um tempo de revisão de vida, mudança de atitudes e comportamentos.

Para você o que é caridade? Será que é dar uma moeda para o pedinte no semáforo? Ou oferecer um prato comida ao faminto? Será que caridade é dar aquela roupa velha que não usamos mais para quem está necessitando? Tudo isto são gestos de caridade, mas caridade é muito mais do que isto. O sinônimo de caridade é Amor. A caridade é um sentimento altruísta de ajuda a alguém sem busca de qualquer recompensa.

Caridade é todo aquele ato benigno de saciar a necessidade das pessoas em suas vidas, simplesmente por amor a elas, e para que elas deem graças a Deus. Se amarmos verdadeiramente ao próximo como a nós mesmos, não o deixaremos abandonados, pois estaríamos negando a nós mesmos.

Caridade, no sentido teológico, isto é, na busca de uma relação verdadeira com Deus, é o amor humano vivido do jeito de Deus. Seria como dizer que Deus entra na pessoa e a faz capaz de amar como ele ama. Caridade é o amor de Deus realizado pelo amor humano. Jesus é o exemplo humano desse amor divino. Por isso ele pôde dizer: ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pela pessoa que ama e amem-se uns aos outros como eu amei a vocês.

Neste mundo, precisamos ter fé, esperança e amor. Precisamos ter fé e esperança porque aqui estamos caminhando nas trevas, mas cremos na aurora que dissipará essas trevas. Entretanto, o amor permanece, porque Deus é amor e, se estamos diante d’Ele, também somos amor. Por isso é que São Paulo, em sua Primeira Carta aos Coríntios, termina o capítulo 13 dizendo: “Agora, portanto, permanecem três coisas: a fé, a esperança e o amor. A maior delas é o amor”.