Série Especial sobre os Sacramentos: Reconciliação

Continuando a série especial sobre os Sacramentos, esta semana iremos falar sobre o Sacramento da Reconciliação, também conhecido por alguns como Sacramento da Confissão ou Penitência.

O que é a Reconciliação ou Confissão?

É o sacramento que dá ao cristão católico a oportunidade de reconhecer as suas faltas e, se delas estiver arrependido, ser perdoado por Deus.

O Sacramento da Reconciliação é um Sacramento de cura. Quando eu vou confessar-me é para curar-me, curar a minha alma, curar o coração de algo que fiz e não foi bom.

Quem instituiu o sacramento da Reconciliação?

Este Sacramento foi instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo nos ensina o Evangelho de São João: “Depois dessas palavras (Jesus) soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem vocês perdoarem os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” (Jo 20, 22-23)

Por que me confessar e pedir o perdão para um homem igual a mim?  

Só Deus perdoa os pecados. O Padre, que também está sujeito a fraquezas humanas, está ali em nome de Deus e da Igreja para absolver os pecados. Ele é o ministro do perdão, isto é, o instrumento do perdão de Deus, como um médico é um instrumento para restituir a saúde física de um paciente doente.

Os padres e bispos também se confessam?  

Sim. Obedientes aos ensinamentos de Cristo e da Igreja, todos os Padres, Bispos e mesmo o Papa se confessam com frequência, conforme o mandamento: “Confessai os vossos pecados uns aos outros” (Tg 5,16 ).

Não acho necessário confessar com um sacerdote. Posso pedir perdão ao Senhor na minha mente e no meu coração.

Está errado. O perdão dos nossos pecados não é algo que podemos dar a nós mesmos. Perdão é algo que se pede, portanto eu não posso dizer: “perdoo os meus pecados”. O perdão não é fruto dos nossos esforços, mas é um presente, é um dom do Espírito Santo, que nos enche com a misericórdia e a Graça  de Deus.

Além disto, os nossos pecados não são apenas contra Deus, mas também contra os nossos irmãos e a Igreja. Por isto é necessário pedir perdão à Igreja e aos irmãos, na pessoa do sacerdote.

O que é necessário para fazer uma verdadeira Reconciliação?

Para se fazer uma verdadeira Reconciliação são necessárias 5 condições:

1°) um bom e honesto exame de consciência diante de Deus;

2°) arrependimento sincero por ter ofendido a Deus e ao próximo;

3°) firme propósito diante de Deus de não pecar mais, mudar de vida, se converter;

4°) confissão objetiva e clara a um sacerdote;

5°) cumprir a penitência que o padre nos indicar.

Quais pecados somos obrigados a confessar?

Somos obrigados a confessar todos os pecados graves (que ofendem gravemente a Deus ou ao próximo, aqueles que nos afastam de Deus). Mas é aconselhável também confessar os pecados leves (que não destroem a amizade entre Deus e o homem) para exercitar a virtude da humildade.

E se não sinto remorso pelo pecado cometido?

Não sentir peso na consciência (remorso) não significa que não tenhamos pecado. Se nós cometemos livremente uma falta contra um Mandamento de Deus, de forma deliberada, nós cometemos um pecado. A falta de remorso pode ser um sinal de um coração duro, ou de uma consciência pouco educada para as coisas espirituais (por exemplo, um assassino pode não ter remorso por ter feito um crime, mas seu pecado é muito grave).

A Reconciliação é obrigatória?

O católico deve confessar-se no mínimo uma vez por ano, ao menos a fim de se preparar para a Páscoa. Mas somos também obrigados toda vez que cometemos um pecado mortal.

Quais os frutos de se confessar constantemente?

Toda confissão apaga completamente nossos pecados, até mesmo aqueles que tenhamos esquecido. E nos torna naquele instante uma pessoa santa, com uma consciência tranquila. A reconciliação ainda aumenta nossos méritos diante do Criador, diminui a influência do demônio em nossa vida; exercita-nos na humildade e nos faz crescer em todas as virtudes.

O que significa a penitência dada no final da Reconciliação?

A penitência proposta no fim da confissão não é um castigo; mas antes uma expressão de alegria pelo perdão celebrado.

Confessei com o Padre e agora estou com medo dele contar os meus pecados.

Um dos mais rígidos deveres impostos ao sacerdote pela Igreja é o segredo da confissão. O sacerdote é rigorosamente e totalmente proibido de revelar o que ouve dos fiéis no confessionário. O descumprimento desse dever é considerado um dos maiores e mais graves pecados que um sacerdote pode cometer e o sujeita a penalidades severíssimas impostas pela Igreja.

 

Celebrar o Sacramento da Reconciliação significa ser envolvido em um abraço caloroso: é o abraço da infinita misericórdia do Pai. Recordemos aquela bela, bela parábola do filho que foi embora de sua casa com o seu dinheiro da herança; gastou todo o dinheiro e depois quando não tinha mais nada decidiu voltar pra casa, não como filho, mas como servo. Tanta culpa tinha em seu coração e tanta vergonha. A surpresa foi que quando começou a falar, a pedir perdão, o pai não o deixou falar, abraçou-o, beijou-o e fez festa. Mas eu vos digo: toda vez que nós nos confessamos, Deus nos abraça, Deus faz festa!

Papa Francisco – 19/02/2014

E na próxima semana iremos falar sobre o Sacramento da Eucaristia. Não percam.